Como Organizar as Finanças Pessoais do Autônomo?

livre-se das dívidas e realize seus sonhosVocê atua como profissional autônomo? A grande preocupação de todo autônomo está relacionada a perguntas do tipo: como fazer para controlar suas finanças pessoais ou até mesmo como se proteger em momentos de crises?

Realmente o risco de ser autônomo é bem maior do que um empregado de carteira assinada, mas embora o risco seja elevado, muitos profissionais autônomos são bem remunerados. Em contrapartida, há profissionais autônomos que possuem quase os mesmos benefícios em relação a quem possui carteira assinada, pois há empresas que concedem férias, etc.

Mas o grande dilema do autônomo é aprender quais os cuidados necessários para enfrentar períodos de crise ou doenças de uma forma mais tranquila?

Como Organizar as Finanças Pessoais do Autônomo?

Como organizar as finanças pessoais do autônomo

Dica 1: Não misture as finanças da empresa com as finanças pessoais.

Essa dica é a número 1 em erros cometidos por muitos profissionais autônomos. A partir do momento que tem uma empresa, ela deverá ser considerar como uma pessoa e você outra pessoa. Então as despesas e receitas geradas pela empresa devem ser separadas das despesas e receitas pessoais.

É relativamente comum pedir a empresários para preencher a planilha financeira, para analisar as despesas e receitas, e eles incluem tudo em um montante só. Misturam tudo e, por isso não conseguem analisar quem está gastando mais: as empresas ou eles!

Mas esse controle não é somente para fins de análise financeira, mas também para fins contábeis. Os contadores tem arrepios quando descobrem essa confusão financeira! Esta organização também será muito importante para fins de declaração de imposto de renda de pessoa física e jurídica.

Dica 2: Férias.

O autônomo não possui férias e 13º salário como as pessoas com carteira assinada, por isso, deve planejar bem quantos dias irá tirar de férias e quais os períodos que poderá viajar em baixa temporada.

Alguns não tiram os 30 dias para amenizar a perda de dinheiro neste período, outros se planejam com antecedência e tiram todos os dias de férias, mas escolhe viajar para locais mais baratos, etc. Defina a melhor estratégia de acordo com o seu caso.

Dica 3: Monte sua Reserva Financeira.

como montar sua reserva financeira

É muito comum receber esse tipo de pergunta: qual a margem de segurança para imprevistos? Considero quantos meses, em meu planejamento?

Realize uma média dos últimos 12 meses de suas receitas e despesas mensais.  Recomendo uma reserva financeira para imprevistos de no mínimo 12 meses dos seus gastos mensais. Então, se sua média de gastos for R$ 5.000,00, o correto é montar uma reserva de R$ 60.000,00.

Mas por que escrevi “no mínimo”? Por que alguns fatores deverão ser avaliados como o grau de dificuldade em encontrar outro trabalho, devido a idade ou a especificidade da carreira, etc. Isso quem poderá avaliar é você, mas caso você passe por alguns destes cenários, é recomendável que aumente a margem da reserva financeira e mude para 18 meses, ou seja, um ano e meio de reserva financeira.

Dica 4: Aposentadoria.

como organizar as finanças pessoais do autônomo aposentadoria

Se você é autônomo, uma parte de sua renda deve estar sendo recolhida obrigatoriamente para o INSS e, além disso, alguns preferem pagar um plano de previdência privada.

Particularmente não considero esta uma boa opção, pois se for uma pessoa disciplinada há outras opções mais interessantes como investir em títulos da dívida pública de mais longo prazo, etc.

A previdência privada somente é vantajosa em alguns casos como, por exemplo, quando o empregado paga uma parte e a empresa em que trabalha contribui com outro valor e isso no caso do empregado de carteira assinada.

Mas há pessoas que são autônomas e não conseguem economizar dinheiro todo mês, ou até mesmo não sabe como realizar outros tipos de investimentos e, por isso, preferem pagar um plano de previdência privada. Dos males, o menor como dizem. O importante é realizar o planejamento de sua aposentadoria.

Leia também: Previdência Privada vale a pena?

Você é autônomo? Como está as suas finanças pessoais?

Compartilhe suas experiências e deixe seus comentários!

Até breve!

Fonte: Imagem Pixabay.

2 Comentários

  1. Auredson

    Muito bom a inciativa do seu BLOG, direcionando dicas de finanças para autônomos, público cada vez mais crescente que ainda é destratado pelo atual sistema bancário, varejista e muitos outros. Mas como sabemos, cada vez mais pessoas estão decidindo trabalhar pelos seus próprios sonhos do que alimentar o de outros com seu suor e conhecimento. Costumamos ver o autônomo como uma subclasse do sistema de emprego, e sempre utilizamos como parâmetros para tudo a Carteira de Trabalho e os benefícios dela derivados, mas isso não é bom e chega a ser histórico e logicamente incorreto, pois o termo emprego, remete apenas à Revolução Industrial, enquanto que ser autônomo sempre foi uma opção padrão que sempre tivemos à disposição. Digam isso os artistas, prestadores de serviços com suas habilidades e os pequenos empreendedores que surgem a todo momento. Então, quem disse que férias deve ter 30 dias e não 3 dias, 5 ou 15 dependendo da conveniência e oportunidade? Por que não se tornar opcional a contribuição para a previdência oficial? E assim muitos outros temas…

    Então, ser autônomo é ser independente, embora seja um risco aparentemente maior, mas que pode proporcionar ganhos e liberdades muito maiores!
    Portanto, autônomo ou empregado, são opções a escolher que devem ser tratados com a devida coerência, e não nível e subnível profissional ou econômico.

    Obrigado!

    Responder

    1. Auredson,

      Obrigada pela contribuição! Empreender envolve risco, por isso, muitos não empreendem, mas isso está mudando no Brasil. Não sei se recorda, mas antigamente era comum a pessoa ficar muitos anos trabalhando na mesma empresa e hoje em dia não existe mais essa estabilidade. Algo que achei muito interessante foi a possibilidade de muitos pequenos empreendedores poderem ser legalizados sendo microempreendedores individuais. Essa iniciativa está mudando o mercado, pois muitos já se arriscam mais para empreender, devido a possibilidade de pagar menos encargos e ter um negócio, que antes era privilégio de somente uma pequena parcela da população. Por isso, vejo com muito otimismo o crescimento do empreendedorismo no país.

      Sucesso e abraços,

      Cristiane Gouget

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + nove =